Monthly Archives: Novembro 2006

O Segredo

Envelheci, não foi? Já não sou o homem de ontem, o homem do passado. Os cabelos grisalhos e a pele franzida são testemunhas do decorrer do tempo. Sim, eu sei que não sou o homem que conheceste. Não sou o indivíduo que viste na esplanada de café, pela primeira vez, há quarenta anos. Já não aparento ter a força e o espírito selvagem, próprios da juventude. Já não possuo aquele corpo, em que dizias que te ‘perdias’. Já não consigo abraçar-te com a mesma intensidade de outrora.
Oiço uma voz atrás de mim:
“Há quanto tempo não nos víamos?”, perguntas tu.
A minha mente puxa pela memória, tal como tu, por vezes, vinda do nada, me puxavas pela mão e fazias com que me vestisse rapidamente e fosse contigo até ao nosso refúgio. Lembras-te? Já não tenho a memória de outros tempos, mas não me esqueço dos bons momentos que vivemos juntos.
“Dez anos são muito tempo, não são?”
“Não tanto como o tempo que vivemos juntos e que fomos felizes”, respondes.
Olho para ti. Parece que é a primeira vez que te vejo. O passar do tempo manteve o brilho característico dos teus olhos. “Estarás emocionada?”, pergunto-me. Os meus olhos param e fitam o teu peito. Noto que tens a respiração acelerada e ofegante. As mãos tremem como sinal de nervosismo. Estranho como é possível continuares a possuir uma pele tão delicada. Olho para a minha mão, tão enrugada… E tu? Parece que conservas a sensualidade da mocidade.
“Como consegues?”
“Como consigo o quê?”, questionas, de modo imparcial.
“Continuares tão bonita. Lembras-te quando éramos novos? Todos me invejavam por ter comigo a menina mais bela da cidade!”
“Poucos sabem que nessa altura éramos apenas bons amigos… Pena que as coisas não se tenham mantido assim.”
Penso em como tudo mudou e como uma tarde conseguiu modificar o nosso futuro. Recordo fragmentos do passado: os teus pés nus, na areia molhada; o modo como a luz contra a tua face me fez apreciar a tua beleza, até então desconhecida.
Nunca nos separámos.
Quer dizer… até ao dia em que desapareceste. Deixaste-me só, de um dia para o outro. Curiosamente, não consigo sentir mágoa. Vivemos trinta anos da nossa vida juntos e nestes últimos dez anos não consegui nutrir qualquer espécie de ódio por ti. Apenas a saudade aumentou.
Não te pergunto porque partiste.
“Sempre fui uma mulher cheia de segredos”, contestas agora.
Estranha, esta resposta!
Viro-me novamente para ti, mas já não te vejo.
Terei sonhado? Não terá passado de um desvario da minha mente saudosa? Ai, a idade já me prega tantas partidas…
Sentado na mesma esplanada do café em que nos conhecemos, penso:
“Não há nada em que paire tanta sedução e maldição como um segredo”.

Já não te conheco…ou então NUNCA te conheci!!!!!








Não te fiz mal nenhum…
Consegues-me explicar o por quê disto tudo? Destas atitudes, desta mudança tão repentina?

P.S.: Peço desculpa…mas tou revoltada…

Vem devagar, Paraíso! Lábios que não te conhecem, timidamente se alimentam do teu jasmim, como a abelha extenuada que chega tarde à flor!

And then remember this, a kiss is just a kiss...

Ando sem inspiração…

Jack Johnson – Cocoon

Based on your smile
I’m betting all of this
Might be over soon
But you’re bound to win
Cause if I’m betting against you
I think I’d rather lose
This is all that I have So please
Take what’s left of this heart and use
Please use only what you really need
You know I only have so little
So please Mend your broken heart and leave
I know it’s not your style
I can tell by the way that you move
It’s real, real soon
But I’m on your side
And I don’t want to be your regret
I’d rather be your cocoon
But this is all that you have so please
let me take whats left of your heart, and i will usei swear ill use
only what i needi know you only have so little,so please
let me mend my broken heart you said this was all you have
and its all i needbut blah blah blah
because it fell aparti guess its all you knew
and all i hadbut now we have
only confused hearts
i guess all we have
is really all we need so please
lets take these broken hearts, and use
lets use only what we really need
you know we only have so little, so please
take these broken hearts and leave
*gostava que me cantassem ao ouvido esta música!!

– Eu avisei-te. Entre mim e ti vai uma distância como da Terra à Lua.
– Tu és a Lua?
– Eu sou um desgraçado que tentou ir ao teu encontro.

As Minhas Escolhas

Melhor Blog Individual Feminino:
Blogotinha

Melhor Blog Individual Masculino:
Os Dias Úteis

Melhor Blog Colectivo:
Sou Todo Ouvidos

Melhor Blog Temático:
Conta Natura

Melhor Blog:
CPiteira

Melhor Blogger:
Gotinha – Blogotinha

Os Melhores Blogues 2006

Regulamento:
1. Podem participar na votação todos os bloggers que mantenham blogues activos há mais de três meses [os mais recentes poderão esperar e votar para o ano].

2. Cada blogger deverá referenciar seis nomes para cada uma das seguintes seis categorias:
– Melhor Blog Individual Feminino
– Melhor Blog Individual Masculino
– Melhor Blog Colectivo
– Melhor Blog Temático
– Melhor Blog
– Melhor Blogger
A cada menção corresponde um 1 voto [a repetição de nomeações na mesma categoria é considerado voto nulo].

3. Cada blogger só poderá votar uma vez, e deverá publicar as menções no seu blog [da forma que melhor lhe aprouver], enviando-as posteriormente para o seguinte e-mail: melhor-blog-2006@hotmail.com
No e-mail, para além das escolhas, deverão indicar o link para o post onde efectuaram as nomeações.

4. De forma a reduzir alguns constrangimentos [e desplantes], e a evitar algumas cortesias desnecessárias, também são considerados votos nulos:
– Os votos dos blogger em si próprios ou nos blogues em que participa;
– Os votos nos companheiros e/ou companheiras de blog;
– Os votos no Geração Rasca ou em algum dos seus membros.

5. Semanalmente serão publicadas no GR as evoluções no escrutínio, assim como a listagem de todos os bloggers que entretanto já tiverem votado.

A data limite para a publicação e envio das votações: 07/12/2006.

No dia 10 de Dezembro serão anunciados os vencedores

Promovido pelo Blog Geração Rasca

ADORO PROVOCAR-TE…

Crónica de um Louco

São sorrisos alienados. São provocações descomedidas. São corpos que se unem. São toques que se calculam. São vozes ao ouvido. São cheiros de cabelo. São perturbações desregradas, que não importam no momento. São prazeres momentâneos. São arrepios de pele. São acordos de lascívia. São desejos excessivos. São respirações descompassadas.

São… crónicas de um louco. Um louco que te amou e que nem com desafios te consegue esquecer.

Céu, estrelas e arco-íris [Divagações de uma mente inquieta]

Há momentos como este em que o coração me dói e a minha alma se sente de uma cor acinzentada.
Estou sentado à secretária, mas as minhas mãos estão brancas, brancas de tão frias que estão. Parece que as letras não se querem juntar. Vejo ali um A e acolá um O. Vejo também um R com um ponto no fim. E algures num canto, encontra-se um M. Palavras soltas como “Amor” e “Felicidade” estão espalhadas na mesa.
Perguntam-me o porquê; perguntam se as palavras me doem.
Não, o que me dói é não conseguir juntá-las; pensar que são incompatíveis.
A minha mente diz-me “Esquece”, mas o meu coração lembra-me das promessas, dos pactos e dos planos para o futuro.
Ah! Se eu conseguisse voltar ao céu que criaste e refazer tudo de novo… Já tenho tudo pensado na minha cabeça! Vou mudar aquela nuvem dali para o canto oposto, retiro aquele pedaço de nuvem cinzenta, espremo todas as outras para que sequem as lágrimas e depois com um pincel concebo o céu tal como tu gostas, com pontinhos de luz a que poderia chamar “estrelas” ou “pontinhos de felicidade” coloridos da cor do arco-íris. E qual é a cor do arco-íris, afinal? O arco-íris é rosa! A tua “cor preferida, mas oculta por vergonha”, disseste-me tu uma vez.
Com a ajuda do cinzel da paixão, esculpi para ti o meu amor. Esse amor, para mim, tem o formato de uma estrela. Olho para ti como se fosses a sua personificação! E és! Tenho a certeza disso, por mais que digam que não. Eu não sou cego, vejo-te brilhante e luzidia. Vejo-te como um alvo a atingir no futuro. Vejo-te como uma estrela e por isso tenho a certeza que, por mais que tente, nunca mais me vais cair na vida outra vez e que, mesmo subindo pela escada da perseverança até ao Universo, estarás sempre a milhões de anos-luz! Aliás, é isso mesmo que as estrelas fazem. Já fui a tua estrela também, sei o que é isso. E como todas as estrelas, tive o meu fim. Antes de a estrela desaparecer, ela fica muito, muito brilhante, até que finalmente se extingue como num suspiro. Extingui-me na forma de luz e surgi na forma de cores. Mas isso não significa que seja um derrotado. Lutei. Lutei. Lutei para me manter aceso e apesar de não o conseguir, hoje surjo no arco-íris. Vês? Sou aquele que está sentado na risca verde!
Pena que o teu arco-íris seja cor-de-rosa…

Histórias do Mar

Enquanto ela saboreava a luz do sol, a areia conhecia todos os seus segredos. Foram intermináveis as horas em que ela se deitava sobre a areia e as ondas lhe beijavam o ventre. Elas recordavam o doce daquele ventre esguio e sabiam de cor todos os recantos.
Ela costumava deitar-se e contar histórias de embalar ao mar. Cada onda que vinha, era uma recordação e uma lembrança. Enquanto passeava pela praia, sentiu o gosto do metal debaixo da sua pele. Baixou-se e encontrou um pendente de ouro, com a forma de estrela. Com os seus gestos cândidos e inseguros, colocou-o ao pescoço. Rapidamente, a sua mente ficou ocupada em imaginar as histórias por detrás. Os sonhso vividos, as promessas feitas, os beijos trocados.
Enquanto pensava nisto, deixou-se embalar pelo som do mar…

Retrato de Angústia

Era aquela fotografia que a angustiava. Um retrato de família que a fazia sentir deslocada. Cada vez que o olhava, ela desfazia-se e abandonava-se a um pranto desesperado. Ela não sabia de onde nasciam os soluços que lhe sacudiam o peito.
Ela via a figura de um pai grisalho, amoroso e com uns olhos que davam uma sensação de segurança. No entanto, via também uma mulher com o rosto marcado pela vida, uma face franzida e severa. Era esse contraste que a apoquentava. Uma família dividida e uma menina vestida de seda cor-de-rosa no canto da fotografia. Ela sempre foi considerada como a mais desprovida de atributos entre os irmãos. Não tinha um talento inato para a música ou uma capacidade precoce para as palavras. Era uma simples menina e comum para a sua idade. Mas isso não chegava e era-lhe exigida perfeição.
Sabia que tinha de se livrar dessa sensação de angústia. Tirou do bolso da saia a velha fotografia de família, acendeu um fósforo e encostou-o à ponta do papel, que se incendiou. Então deixou-o cair e ficou a olhar para ele, até que se transformou num pequeno monte de cinzas que um sopro de vento levou para longe.

Futuro Sombrio

Vivemos num mundo sem crianças, onde todos estão tristes e receosos. Não há crianças para seguir o nosso caminho, para correr nos lugares em que brincamos… A esperança pela qual vivemos está a desvanecer-se. É tempo de todos nós dizermos “Boa Noite”. Se fores o último dos vivos quando o fim chegar, lembra-te de desligar a luz.

Memória

Como é estranho que a mente esqueça o que ainda há pouco se passou e que, no entanto, guarde com tanta clareza e brilho a memória do que aconteceu há anos; de amores e amizades há muito terminados. Pessoas como tu nunca morrem; vivem ainda comigo, tão reais na minha memória como o foram no passado, amadas para sempre*

Companheiros das Danças

“Sabes uma coisa? Acho que fez-nos bem passarmos esta noite sozinhos. Estávamos a precisar. Sinto-me muito mais próximo de ti. ADORO-TE e sinto-me feliz.”
“Concordo, sinto-me feliz por ontem! Amo-te, meu príncipe…”

Que hei-de dizer?
ADORO-TE. AMO-TE.

I miss you, love

Não me lembro se foste a pessoa que mais amei.
Não me recordo se foste o meu ideal.
Não sei se “bateste” forte.
Há quem diga que sim: que foste a pessoa por quem eu perdi a cabeça, que não amei ninguém como tu e que eras o meu mundo.
Talvez sim… Mas agora penso de maneira diferente. Penso que não eras madura, que me manipulavas sem querer, que me magoavas sem deixar marca. Não te culpo por isso.
Eras uma menina ingénua, mas habituada a sofrer as agruras da vida e como tal, capaz de obter o que desejavas. Foste tu que criaste o amor que nasceu entre nós.
Por ti, abdiquei dos meus valores, fechei-me no nosso mundo, desenvolvi uma personalidade diferente, abandonei os meus amigos…
Tornei-me absolutamente teu. Alguém que te amava, mas que, acina de tudo, precisava de ser amado. Enfraquecido por ti, permiti que o mundo desabasse sobre mim.
Agora lembro-me!
Foste a pessoa que mais amei, foste o meu ideal… “Bateste” forte!

O coração “bate” ainda?… Talvez não… São só saudades.

Forever.Ben Harper

Not talkin’ ‘bout a year
No not three or four
I don’t want that kind of forever
In my life anymore
Forever always seems
to be around when it begins
but forever never seems
to be around when it ends
So give me your forever
Please your forever
Not a day less will do From you

People spend so much time
Every single day
Runnin’ ‘round all over town
Givin’ their forever away
But no not me
I won’t let my forever roam
and now I hope I can find
my forever a home
So give me your forever
Please your forever
Not a day less will do
From you

Like a handless clock with numbers
An infinite of time
No not the forever found
Only in the mind
Forever always seems
to be around when things begin
but forever never seems
to be around when things end
So give me your forever
Please your forever
Not a day less will do
From you

Quando ouvi esta música, fez-me chorar…
Lembrei-me dos teus “I LOVE U FOREVER” ditos na tua excelente pronúncia em Inglês! Lembro-me de eu corresponder com os meus “FOREVER“, com os meus “PARA SEMPRE“…
Sei que estás bem e isso deixa-me feliz. Mas fico triste… Éramos tão amigos, mas nem essa amizade ficou “FOREVER“… Por quê? Porque somos os dois teimosos e orgulhosos.

Sinceramente… (e vou fazer uma nova confissão, como esta aqui) tenho vontade de te dizer outra vez “I LOVE U FOREVER”… mas não te quero estragar a felicidade…

Apenas na mente, parece estar “para sempre”, quando começa. Mas “para sempre” nunca parece estar de volta, quando termina.

Nunca te esquecerei! Lembar-me-ei de ti… “FOREVER


HOJE vou começar uma nova batalha…e vou GANHAR!!!