"Devagarinho…"

Fui devagarinho pela estrada da vida. Não me apressei, pois sentia-me livre. Continuei, devagar, passando por cruzamentos e desvios de um passado recente. Bem devagar, soltei-me do corpo em que vivo. A saudade espraiou-se nos sonhos e divagações de uma mente inquieta. Foi tudo tão fugaz e tão breve. Tudo o que se agarra, já fugiu. Corri acelerado, de uma forma vagarosa e soube que alcancei a liberdade que um dia perdi. Não tive mais medo. Vagueei pela estrada de modo lateral ao presente. Ouvi uma voz no fundo da linha. O vento falou-me de ti e disse pausadamente: “Devagarinho…”
Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: