Monthly Archives: Fevereiro 2007

Continuidade


Cartas na mesa, copos vazios, fotografias no chão, páginas rasgadas: tudo são vestígios de ti. Aquela camisola que deixaste na minha cama, ainda hoje mantém o teu cheiro. Doce almíscar obtido da tua essência, numa noite de paixão. Bebemos dos nossos lábios a seiva do incompleto, do escasso, do infalível, do imperfeito. O calor e o frio fundiram-se na contiguidade de dois corpos.
Os teus discos continuam a tocar, sem interrupção. As tuas palavras ainda ecoam nas paredes da casa. As tuas impressões permanecem no relevo da minha pele. As moedas estão caídas pelo soalho e o tilintar continua a fazer-se ouvir. Canto cantigas e a voz ressoa no vazio de sempre. O vazio da tua falta, o oco da tua presença, a inanição de ti…

Campeonato Nacional de Língua Portuguesa


Participei! Agora vamos ver se cometi muitos erros e se chego à seguinte fase!

http://www.linguaportuguesa.aeiou.pt/

Estranho

Por que é agora quando crio uma nova postagem só aparece o modo HTML e não aparece o outro com os botõezinhos? Sou só eu que tenho este problema? Help me! E não consigo mudar para a outra vista.

Novo blogLínguas de Perguntador
http://www.perguntaoutravez.blogspot.com

Depois de um concerto excelente…

… saber que as visitas ao blog já chegaram a 20 000, é maravilhoso!

“Um homem pode ser destruído; nunca derrotado.”

Hernest Hemingway in O Velho e o Mar

O Concerto das Nossas Vidas

Sábado, 17 de Fevereiro 2007.
Pavilhão Atlântico. Megaconcerto Visão.

O concerto, que reúniu em palco os artistas da colecção. As Músicas da Nossa Vida – Pop Rock Português, editada pela VISÃO em 2006, foi uma autêntica maratona de boa música. As bandas tocaram, entre outras, as músicas que foram mais votadas pelos leitores da revista VISÃO, através do site. Mas foram muitos os hinos do pop/rock nacional que se ouviram na oite mágica do Pavilhão Atlântico, para delírio dos muitos milhares de pessoas que enchiam o multiusos de Lisboa.
Os Rádio MAcau abriram as hostilidades, ouvindo o público entoar em coro temas como O Anzol, Aos Meus Amores e O Elevador da Glória. Depois, entrou em palco Jorge Palma, muito divertido. Cara de Anjo Mau e Portugal, Portugal foram pontos altos de uma actuação que deixou o público com um sorriso nos lábios.
O primeiro grande momento da noite chegaria com a entrada em palco dos GNR. Com Rui Reininho a mostrar estar de regresso à sua melhor forma, o Grupo Novo Rock levaram o Atlântico ao delírio com uma actuação poderosa. Do album Rock in Rio Douro, os GNR tocaram e fizeram-se acompanhar pelo público nos temas Sangue Oculto, Sub-16 e, claro, Pronúncia do Norte.
Depois, foi tempo de recordar as Viagens de Pedro Abrunhosa. Acompanhado de um grupo de excelentes músicos, o cantor fez questão de agradecer àqueles que «tiveram a VISÃO de organizar este grande concerto». E o público retribuiu, cantando a plenos pulmões os temas que lançaram Abrunhosa para o estrelato.
Rui Veloso foi o senhor que se seguiu, num espectáculo em tocou quase todo o albúm Ar de Rock. Com a excepção da repetição do tema Ai Quem Me Dera a Mim Rolar Contigo Num Palheiro – «provavelmente a música com o título mais longo da música portuguesa», como referiu o próprio Rui Veloso – aquela hora de concerto terá sido a mais profissional de todas as que se assistiram no MegaConcerto VISÃO.
Para fim, estava guardado aquele que era o mais aguardado concerto da noite. E, para não variar, os Xutos e Pontapés não desiludiram. Durante uma hora, o Pavilhão Atlântico não parou de saltar, aplaudir e cantar os hinos do Circo de Feras e alguns temas mais recentes. E nem a estreia absoluta de um novo tema fez esmorecer a plateia.
Eram já quase três da manhã, quando todos os músicos regressaram ao palco para o que seria o grande final. Tim, Rui Veloso, Xana e Flak ainda tentaram mostrar que tinham ensaiado o Venham Mais Cinco, de Zeca Afonso. Mas as desconcertantes entradas em palco de Jorge Palma e Rui Reininho tornaram a missão impossível. Valeu pelo bom humor…


E no fim, tive de dormir na Gare do Oriente. Até às 7:30 da manhã seguinte.
Mas valeu a pena.

Ah! E tive 38,5 horas sem dormir!

Descobrindo Blogs – Especial Fotografia

Rita Carmo|Fotografia – Imagens de Pessoas com Música dentro…

Rita Carmo|Ao Vivo – Fotografias de concertos ao vivo.

Efeito Nipónico – Fotos de um estagiário no Japão.

Já que hoje ando numa de música…

… esta lembra-me a passagem de ano 06/07.

Lembras-te Di?

Lado Esquerdo

O meu lado esquerdo
é mais forte do que o outro
é o lado da intuição
É o lado onde mora o coração

O meu lado esquerdo
Oriente do meu instinto
É o lado que me guia no escuro
É o lado com que eu choro e com que eu sinto

Meu é o meu foi o meu lado esquerdo
Que me levou até ti
Quando eu já pensava
Que não existias para mim no mundo

O meu lado esquerdo não sabe o que é a razão
É ele que me faz sonhar
É ele que tantas vezes diz não

Meu é o meu foi o meu lado esquerdo
Que me levou até ti
Quando eu já pensava
Que não existias para mim no mundo

Clã – Lado Esquerdo

E amanhã…


… lá vou eu para o Megaconcerto Visão: Rádio Macau, Jorge Palma, GNR, Xutos & Pontapés, Rui Veloso e Pedro Abrunhosa.

Prémios Bafta

Os críticos britânicos já escolheram os melhores filmes do ano.

Melhor Filme – A Rainha
Filme Britânico do Ano – O Último Rei da Escócia
Melhor Director – Paul Greengrass (Voo 93)
Melhor Actor – Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia)
Melhor Actriz – Helen Mirren (A Rainha)
Melhor Actor Secundário – Alan Arkin (Uma Família À Beira de Um Ataque de Nervos)
Melhor Actriz Secundária – Jennifer Hudson (Dreamgirls)
Melhor Filme Estrangeiro – O Labirinto de Fauno
Efeitos Especiais – O Pirata das Caraíbas – O Cofre do Homem Morto
Melhor Filme de Animação – Happy Feet

O Pior Português de Sempre

O Pior Português de Sempre foi encontrado!

Na categoria “Quem mais contribuiu para a ruína / estado a que chegou o país?”:
ANTÓNIO OLIVEIRA SALAZAR – 39.21% – 5132 votos

Na categoria “Quem melhor representa o pior de ser português”:
FÁTIMA FELGUEIRAS – 26.66% – 3011 votos

Em segundo lugar ficaram Mário Soares (com 37.83%, o que se traduz por uma diferença de 181 votos) e Pinto da Costa (com 25.05% ou seja, 2829 votos). Seguiram-se António Guterres (10,88%, 1425 votos), Durão Barroso (7,51%, 984 votos) e Aníbal Cavaco Silva (apenas com 4.53% ou seja, 594 votos) na primeira categoria.
Na segunda categoria, os restantes classificados foram Valentim Loureiro (18.12%, 2046 votos), Alberto João Jardim (19.72%, 2227 votos) e Lili Caneças (com 10.46%, 1181 votos) na segunda.

Desde dia 5 de Fevereiro, altura em que começou a quarta e última fase de cotação, foram contados 13086 votos na primeira pergunta e 11294 na segunda.

Inércia – 4

Com o balanço da despenalização do aborto, aceitámos a desresponsabilização do homem que, tanto como a mulher, contribuiu para a gravidez. Aceitámos a despenalização até às 10 semanas sem perceber muito bem por que não há-de ser até às 9. Ou até às 11. A menos que digam que a escolha do número redondo ficou a dever-se ao facto de, até às 10 semanas, o aborto poder ser químico e não cirúrgico – logo mais fácil, mais rápido e, sobretudo muito mais barato. Será possível que uma questão eminentemente moral se tenha decidido por razões friamente economicistas? Aceitámos a intervenção em estabelecimentos autorizados sem sabermos que estabelecimentos serão – autorizar-se-ão os locais até aqui ocultos na clandestinidade que toda a gente conhecia ou, caso não sejam reconhecidos, irá o aborto transformar-se num chorudo negócio para investidores portugueses e estrangeiros? As mulheres que pretendam abortar nos hospitais públicos serão forçados ao pagamento de uma taxa moderadora especial, ao nível do que custava um aborto clandestino? Se assim for, o Estado encontrará aqui uma agradável fonte de rendimento. Pelo contrário, se o “aborto público” for barato, quem pagará os seus custos adicionais? Afinal, não há dinheiro para abonos de família decentes nem subsídios de maternidade capazes de aliciar os portugueses a terem mais filhos e vamos pagar abortos? Os médicos do Serviço Nacional de Saúde que, para não fazerem abortos, vão poder, ao que parece, recorrer à “objecção de consciência”. Se os portugueses votaram a favor da despenalização, o aborto passa a ser legal – e passa a ser um acto clínico. Pode, agora, um médico a quem os contribuintes pagam o salário recusar-se a fazê-lo?
Ricardo Araújo Pereira anda com problemas em lidar com a fama. A empresa Produções Fictícias enviou um comunicado para as redacções dando conta da “presença constante de presumíveis fotógrafos e jornalistas não identificados” junto à residência do humorista dos Gato Fedorento e apelando à não publicação de trabalhos sobre a sua vida privada. Ora, há umas semanas Ricardo Araújo Pereira foi capa da revista Sábado com uma fotografia feita em sua casa, e quer fechar agora a porta a olhares indiscretos? Também, o humorista envolveu-se na semana passada numa acesa polémica na blogosfera com os escribas do blog 31 da Armada e disse que a sua família foi alvo de ameaças por causa da rábula sobre Marcelo Rebelo de Sousa.

Português vence concurso de Incubus a nível mundial!

Saiu no dia 14 de Fevereiro, pela voz do vocalista dos Incubus, Brandon Boyd, durante um concerto da banda em Los Angeles, o vencedor do concurso criado pela banda com o nome de I DIG INCUBUS.
E o grande vencedor foi o português Carlos Oliveira (aka Kaamuz) de 24 anos e morador em Esmoriz.
O concurso consistia em os fãs fazerem um videoclip para o próximo single da banda, “Dig” que está no último álbum “Light Grenades”.
Carlos Oliveira foi um dos 5 finalistas, entre mais de 100 videos enviados por todo o mundo, e foi escolhido por votos dos fãs de Incubus e pela banda.
É mais uma vez os portugueses a mostrar cartas lá fora…

Herman José fala de Hora H

Herman José in TV 7 Dias (Digitalização aqui)

“Esta é uma maratona e assistimos à partida das primeiras centenas de metros. Se nos derem espaço e oxigénio, não tenho dúvidas que a nossa performance fará corar o Carlos Lopes e a Rosa Mota de Inveja”, refere Herman José, em declarações à TV 7 Dias, horas depois da exibição de Hora H.
Apesar dos números das audiências não serem animadores, Herman está contente por ter agradado à sua principal fã: “A minha mãe adorou, o que nem sempre acontece. Vou pedir à Marktest que lhe ponha um audímetro em casa”, diz, entre gargalhadas. Aliás, gargalhadas na casa do “verdadeiro artista”, na noite de sábado: “Confesso que nos rimos muito, mas o facto de ter servido um bom vinho verde ao jantar ajudou. Acabámos a noite com o sotaque de Raposinho Pinto”, diz, aludindo ao chefe de redacção do Canal Nacional de Notícias. Herman José está atento aos comentários daqueles que o rodeiam e assegura que está “muito contente com as reacções”, desvendando que “às cinco da manhã, o Hora H já estava no You Tube. Fãs como estes merecem tudo.” Acrescenta ainda que “um canal que em época de vacas magras aposta num produto alternativo ainda merece mais”.
Contudo, Francisco Penim, o homem-forte de Carnaxide, disse que “a Direcção de Programas tem as mais altas expectativas” no formato, apesar de não referir a meta de audiências que desejava com Hora H. “Estamos a tentar fazer um programa que faça rir e também tenha alguma audiência”, afirmou Herman José, no dia da apresentação e em que ostentava uma camisola com a frase provocante: “I’m not dead yeat”. Ou seja, ainda não morreu, mesmo!”

“Os números mostram que Hora H alcançou o 15.º do top de programas mais vistos no passado Sábado, conquistando 21,1% de share. Comparando os 40 e poucos minutos que o programa esteve no ar com a concorrência, os números não são catastróficos: o Hora H conseguiu 21,2% de share; o concurso da RTP, Aqui Há talento, 23,1% e a novela Tempo de Viver, da TVI, cilindrou-nos com impressionantes 40,6% de share.”

Não podia deixar passar este dia em branco. O chamado “Dia dos Namorados”. Estes dias especificamente comemorativos parece que são obrigatórios. É uma estupidez autêntica. Neste dia adoram-se e trocam juras de amor eterno, no dia seguinte voltam às traições do costume. É só hipocrisia!
Coraçõezinhos? Apaixonadinhos? Florzinhas? Uma panóplia de artigos de consumo (almofadas, canecas, pantufas, molduras…) vermelhos, cor-de-rosa, com corações e a dizerem “amo-te”. Haverá algo mais horrível e lamechas?
Dia dos Namorados? Não Obrigado!

Descobrindo Blogs – 7

FHM Fevereiro – Os 100 melhores vídeos portugueses do You Tube.
Euribor, sempre a rir – “Não senta Euribor, desce”. Um blog de sketch humorísticos.
Aqui Também Se Está Bem, Tão Bem – Segundo a autora deste blog, “às vezes damos voltas e mais voltas para descobrir o melhor de nós e dos outros e estava tudo tão à vista! E com os lugares acontece a mesmíssima coisa: a praia é sempre a outra, o monte era mais alto, a casa devia ser maior, neste sofá não cabemos os dois… Depois, descobrimos que podia ser um sítio qualquer.”

Um pedido do João Barciela, apesar da fraca inspiração

Hoje percebo, calma e serenamente, que os teus lábios, afinal, até são doces. Entendo que o teu olhar consegue viciar-me. O nosso amor cruza-se num eterno suspiro soprado pelo vento. As nossas mãos tocam-se, quentes, pedindo um abraço terno e amoroso. Os nossos corpos fundem-se, rasgados pela paixão.
É aí que tudo muda, que as cores se alteram, que os sons se modificam e os cheiros se intensificam.
É nesse momento em que o fogo, a água e a terra se beijam e dizem “Amo-te”.

Que Cena Romântica de um Filme é Você?

Você é… a cena da Passagem de Ano em “When Harry Meet Sally”: Para si, a verdadeira declaração de amor deve ser sempre espontânea e não treinada horas a fio ao espelho. O amor deve sempre ter como base uma forte amizade, até para o ensinar a gostar dos defeitos da outra pessoa.