Monthly Archives: Janeiro 2008

Fumadores

Os fumadores estão a ser ostracizados com a nova Lei do Tabaco e campanhas anti-tabágicas (não só de agora, mas desde sempre).
A nova Lei do Tabaco anda novamente a estimular o que Portugal sempre teve do pior: os bufos. Segundo uma notícia recente, existem cerca de dois autos diários a denunciar pessoas que fumam em locais públicos. Ora bem, muitas vezes (sendo este um hábito de anos) é natural que o fumador se esqueça e acenda um cigarro; uma coisa que se calhar com um lembrete (e não com polícias) se chegava lá mais depressa.
Além disso, o autocolante que existe em vários estabelecimentos está incorrectamente escrito. Se falamos em Não Fumadores e Non Fumeurs, por que é que depois se traduz para No Smokers? (Se falassem em Non Smokers, eu não falaria tanto em ostracismo).

Outra coisa, é aquele anúncio da União Europeia – Help – For a life without tobacco – em que comparam os fumadores a palhaços. Uma coisa é os fumadores estarem a prejudicar a sua saúde, outra é serem inconscientes ou palhaços.

Ainda falando de anúncios, o antigo slogan “Beijar um fumador é a mesma coisa que beijar um cinzeiro“, a esses eu digo para experimentarem lamber um cinzeiro e depois logo vêem a diferença.
E ninguém tira da cabeça que a suposta fuga de gás em Lisboa, foi para dissuadir os fumadores de fumarem até na rua.

Anúncios

Phist

Ouvir Phist na FNAC Santa Catarina foi uma das experiências mais decadentes que tive na minha vida.
Não sendo a música propriamente má, um vocalista que entra em palco de pijama e robe vermelho, com um balão cor-de-rosa na cabeça é o limiar da decadência.

RIBA Stirling Prize 2007


O Channel 4 (canal Inglês) irá brevemente transmitir o RIBA Stirling Prize 2007 (concurso que visa destacar e premiar obras de referência em termos de arquitectura moderna).
Actualmente, o Channel 4 tem a decorrer uma “votação” no seu site para encontrar o edifício que mais agrada ao público. Pela primeira vez, uma obra portuguesa aparece em destaque nesta votação: a Casa da Música.
Não deixem de participar, votando!

(Via Blogotinha)

é isso!

O telefone tocou e atendi sem pensar. Era ele:
– Crescemos um bom bocado, não crescemos miúda?
– Imenso!
– Gostaste?
– Gostar é pouco.
– Ainda gostas de mim?
– Nunca deixei de gostar. E tu?
– Tens sido só tu. Sempre.
– Mesmo com outras. É isso que queres dizer?
– Precisamente.
– Não te faço perguntas, então.
– Nem eu a ti.
Amo-te. Queres assim?
– Basta-me isso.
– Não tenho que dizer nada?
– Não, começa hoje.

– Como vamos celebrar?
– Escolhe tu – disse eu.
– Aqui, depois do jantar. O mesmo prato e o mesmo vinho.
– Pode ser – respondi a rir-me.
E desliguei feliz.

“Não me contes o fim”. Rita Ferro

"O senhor João está aqui no meu bolso esquerdo!"

Por que é que as pessoas odeiam tanto os operadores de telemarketing?

Crónicas a Dois


Informa-se que o blogue Crónicas a Dois, do qual já se falou aqui, encontra-se novamente actualizado.

Obrigado.

Call Girl

– Sempre pensei que as putas não beijavam na boca.
– Há sempre um cabrão que nos faz mudar de ideias.

Ivo Canelas e Soraia Chaves in Call Girl.

A História Devida


Outro texto meu, intitulado “Pai? Às vezes“, foi lido por Miguel Guilherme na Antena 1 hoje às 17h20, no âmbito do programa “A História Devida“. Podem ouvir a repetição às 21h20 e às 3h20.

Aqui está o texto em formato podcast – Pai? Às Vezes.

Podem ouvir o outro texto (lido no dia 1 Novembro 2007) aqui.

Super Bock Super Rock 2008 no Porto

A edição deste ano do festival Super Bock Super Rock vai realizar-se em simultâneo em Lisboa e no Porto.

A notícia foi confirmada à BLITZ por Luís Montez, da Música no Coração.

Até ao momento, os Iron Maiden são o único nome confirmado do cartaz, actuando a 9 de Julho no Parque Tejo. No entanto, Luís Montez garantiu à BLITZ que as restantes bandas serão reveladas até ao final deste mês.

Esta não é a primeira vez que o SBSR sai da Grande Lisboa: entre 1999 e 2003, houve numerosos concertos em Gaia (Hard Club) e Porto (Coliseu), além de no Coliseu dos Recreios, Paradise Garage e Aula Magna (Lisboa).

Notícia retirada de Blitz.

Remodelação


Agora directamente redigido a partir da cidade do Porto, O Avesso dos Ponteiros sofreu alterações de template.
Um modelo mais simples, mais claro, mais objectivo e linear. O conteúdo mantém-se semelhante: divagações e quaisquer informações que eu considere úteis (ou não).

Este blogue continua a sua actividade normal dentro de momentos.

Terminemos com o vício do café: Estabelecimentos "Não Fumadores"

Apesar da sua clara aplicação e do seu intuito, parece-me terminantemente ofensivo.

Para todos aqueles que não sabem mas querem saber, para os que sabem mas não querem saber, para os que não sabem nem querem saber

Nota: Investir mais nos posts e menos nos títulos.

Tenho a dizer a todos (o que quer que a palavra “todos” queira dizer) que, sim, o autor deste blogue, desde o primeiro dia do ano 2008 mora oficialmente na cidade do Porto.
Pois bem, o porquê e o que isto implica:
Sempre fui uma pessoa muito independente, isso já todos sabiam, sempre tive uma pancada muito grande, também já todos sabiam, agora que a coragem também era proporcional a tudo isso é que já era mais duvidoso. Mudar-me para uma cidade como o Porto não exigiu grande ponderação da minha parte. Mudar-me de Santarém para o Porto (uma cidade que não conhecia senão desde Setembro 2007) foi tão simples como se nos perguntassem se queríamos a felicidade e isso exigisse uma resposta tão simples como um sim ou um não. Qualquer um de nós quer ser feliz, independentemente de tudo e todos, e eu não fujo à regra.
Ainda tenho o Ribatejo no coração, mas não sinto assim tanta falta do local e das pessoas de cá. Gosto da minha família e dos meus amigos ribatejanos, disso não há dúvida. Mas viver no Porto fornece-me estabilidade emocional, viver com a pessoa que mais amo, acordar com alguém ao meu lado todos os dias, ter uma vida diária com a mulher da minha vida. Viver no Porto faz-me sentir feliz.
Vivo no Porto e como independente que sou, trabalho para me sustentar. Sim, para todos os que queriam saber: sou agora operador de telemarketing, num serviço de outbound da Optimus Home. Sim, há os que me vão gozar, há os que vão fazer risinhos sarcásticos e hipócritas como de costume, mas a esses eu digo: sou independente monetariamente (ganho mais num trabalho 4 horas por dia, do que muito boa gente num trabalho a tempo inteiro), não dependo de ninguém e adoro realmente aquilo que estou a fazer. Conheci pessoas espectaculares, cultas e com quem se pode conversar. Num serviço de outbound ganha-se experiência de vendas, ganha-se ainda mais vantagens para um currículo, ganha-se muita capacidade de argumentação, ganha-se dinheiro claro e ganha-se gosto pelo que se faz. Estou feliz, sim.
Estou a umas poucas horas de fazer 20 anos e contudo sinto-me igual como com 19 anos. Até porque sinceramente, desde há 4 meses atrás que me sinto com 20 anos. Por quê? Porque me sinto como deixando de ser adolescente, um teenager, passando a ser um adulto consciente e responsável. Isto desde há 4 meses atrás. Daqui a umas horas sairei oficialmente dos teen e ingressarei na mais fina flor dos adultos. Estou a ser irónico, claro está, para quem não perceba piadas inteligentes (ou semi, vá).
Pois bem, era isto que queria declarar.