O Desemprego

Cada vez entendo mais o motivo de as taxas de desemprego dispararem em flecha quais armas carregadas e potencialmente perigosas. Trabalho em Recursos Humanos e o meu trabalho é esse mesmo: dar trabalho a outros (entre outras coisas que me consomem a cabeça).

Contudo, o meu dia a dia é maioritariamente passado a fazer dinâmicas de grupo (vulgo entrevistas, mas numa versão mais moderna e rebuscada) de forma a avaliar potenciais candidatos a integrarem o emprego para o qual recruto. Não os contrato para full-time, é verdade. Mas recruto-os para part-time. Um part-time de segunda a sexta, 4 horas por dia, stressante é certo, mas comparativamente bem pago. Comparando com pessoas que trabalham 8 horas por dia e nem o ordenado mínimo auferem, por exemplo. À vontade e se tudo correr bem, eles conseguem auferir valores de 400€ por mês, se se esforçarem realmente.

Tenho é vindo a reparar que ninguém quer trabalhar e que as pessoas são arrogantes e dão cada vez mais uso à chamada pala de burro, sem terem margem de manobra mental para abrirem horizontes. Nas entrevistas, irritam-me sobretudo os atrasos. Atrasos esses que até tolero, porque é a primeira vez que se deslocam ao espaço, mas que abomino quando vêm associados a uma tremenda falta de responsabilidade e respeito. Outra coisa que me deixa transtornado, são as respostas secas e monossilábicas, que revelam que os candidatos não se estão a esforçar minimamente para ficar com a função. Ou aqueles que têm tanta pressa, desde o momento que entram e que se acham no direito de julgar que o entrevistador está a demorar mais do que devia e se acham no direito de fazer exigências despropositadas.

No nosso país, as pessoas não querem trabalho. Querem tacho e mama. E viver à mama do Estado é bom, quando outros trabalham para nos sustentar. Isso é o que odeio e isso é o motivo do desemprego e o estado do País.

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • AnaA  On Fevereiro 10, 2009 at 19:08

    Conversa da hora de almoço… 😛

    Mas lá que isso é verdade… Há maneiras e maneiras de se fazer as coisas. Um atraso pode ser desculpável se a pessoa disser “Peço imensa desculpa, não conhecia o local e perdi-me.” até porque o sítio não é o mais fácil de encontrar, enquanto que à constatação de “Está atrasada e a dinâmica já começou” responder “Eu sei!” com ar despreocupado e entrar na sala já dá vontade de a obrigar a sair da sala e espetar-lhe a porta na cara.

    Mas eu acho piada às pessoas desempregadas que se sentem no direito de exigir encurtamento súbito da entrevista porque estão lá há uma hora, como se fossem os únicos na sala a estar lá durante aquele tempo e não houvesse um formador e possíveis futuros colegas que estavam lá há tanto ou mais tempo.

    Tenho impressão de que eu trabalhei mais num estágio não remunerado do que essas pessoas têm vontade de trabalhar uma vida inteira.

  • Hugo Gomes  On Fevereiro 17, 2009 at 20:09

    Ora aí dou-te razão, as pessoas n kerem trabalhar, apenas kerem dinheiro, já agora:

    4 horas/dia = 400 Euros

    Xiça! eu trabalho 9 horas por dia para ganhar o mesmo, realemnete disseste e bem, um bom trabalho.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: