Monthly Archives: Março 2009

Menos uma.

Esta ideia da Hora de Verão devia ser motivadora o suficiente para termos Pena de Morte em Portugal. Pelo menos nos primeiros dias.

Anúncios

Almodóvar

mont_dvds

Na Visão e no Expresso. É de deixar uma pessoa assim alegrezinha.

Quando o stress dá cabo de nós

(…) “Mas o que mata, o que destrói os nossos neurónios, e afecta regiões como a memória (como o trágico caso do esquecimento do bebé no carro prova, em extremo), é o stress crónico. O nosso organismo não sabe o que fazer à adrenalina que lhe é injectada constantemente, e acabamos reféns de uma ansiedade permanente ou de um assustador e inexplicável ataque de pânico. É um aviso. Um aviso de que temos que parar e reequacionar as nossas prioridades. Respirar fundo e assumir um dia de cada vez.”

Isabel Stilwel in Destak 26 Março 2009

Estava agora a ler isto e pensei que já me aconteceu precisamente o mesmo. E às vezes ainda acontece.

Divagações

Ontem cheguei a uma conclusão triste. Sempre me orgulhei de duas coisas na vida: os meus dentes e a minha (boa) memória.
Infelizmente, só me restam os dentes.

Mas de que é que estava mesmo a falar?

Primavera

spring09

Cinema: Nas Bancas!

premieratake13_300

Uma profissional e reconhecida (Premiere), outra amadora (sem desprimor), mas com conteúdos e edição praticamente profissional (Take). Uma com os devidos apoios e orçamentos, outra sem qualquer financiamento.

Uma está disponível nas bancas, outra na web. Ambas sobre a temática do cinema e vale a pena ler.

RH

Sinto-me cansado de trabalhar em RH. Sinceramente, eles são tudo menos humanos. Deixa-me exaurido o facto de as  pessoas serem ignorantes e entrarem aos gritos numa recepção, de não saberem ler recibos ou de serem impacientes ou pouco compreensivos.

Sondagem (II)

http://splitscreen-blog.blogspot.com/

Primavera

Isto da chegada da Primavera e do tempo quente inspira-me sensações dúbias. Não gosto muito de chuva em demasia, mas também não sou fã de muito calor e sinceramente aprecio mais o frio. Contudo, estas noções intermédias de temperatura logo pela manhã e estar à sombra num dia de sol sabe-me bem.

Mas ao mesmo tempo que me sabe bem, irrita-me o facto de estar fechado num escritório o dia inteiro, com o dia excelente que está lá fora e apetece mais ir às compras (isto nas semanas em que se ganha o Euromilhões) ou ir para uma esplanada tomar café e/ou águas gaseificadas. Curiosamente se é fim-de-semana ou feriado e estou em casa, apetece-me tudo menos sair de casa para ir ás compras ou para uma esplanada. Mesmo que o dia esteja exactamente no ponto pretendido. Ele há coisas.

Por outro lado, se está quente o suficiente para se andar de manga curta na rua, as temperaturas fresquinhas do escritório ainda não convidam a tal. Ora pois bem, daqui nota-se perfeitamente a minha veia de eterno indeciso.

E se há uns anos quando estava em casa sem nada para fazer e me sentia deprimido por esse mesmo facto, apetece-me pegar na máquina do tempo do Walter Bishop de Fringe e esbofetear-me naquela altura para ver se ganhava juízo. Bom é estar em casa e viver de rendimentos, isso sim.

E só por isto tudo, apetecia-me estar na rua agora. E depois de almoço, ainda me vai apetecer mais a tal esplanada com café e/ou águas gaseificadas.

Déjà Vu: Posters

(Via Split Scren)

Ódio de Estimação

A impressora do meu local de trabalho odeia-me. Odeia-me com todas as suas peças, luzes, folhas e tonners. Sempre, mas mesmo sempre que decido tirar a tarde inteira para imprimir contratos, acaba-se o tonner. Sempre. Cabra.

Eu confesso… (20)

Fico podre cada vez que ouço alguém desfazer-se em comentários elogiosos perante Slumdog Millionaire. Caramba, mas alguém viu o mesmo filme que eu?!

(Revolutionary Road)

Frank Wheeler: No! Wrong! You’re not crazy, and you do love me. That’s the point, April.

April Wheeler: But I don’t. I hate you. You were just some boy who made me laugh at a party once, and now I loathe the sight of you. In fact, if you come any closer, if you touch me or anything, I think I’ll scream.

Frank Wheeler: Oh, come on, stop this April. [He touches her for an instant and she screams at the top of her lungs before walking away. He chases after her]  Fuck you, April! Fuck you and all your hateful, goddamn – [He breaks a chair against a wall]

April Wheeler: What are you going to do now? Are you going to hit me? To show me how much you love me?

Frank Wheeler: Don’t worry, I can’t be bothered! You’re not worth the trouble it would take to hit you! You’re not worth the powder it would take to blow you up. You are an empty, empty, hollow shell of a woman. I mean, what the hell are you doing in my house if you hate me so much? Why the hell are you married to me? What the hell are you doing carrying my child? I mean, why didn’t you just get rid of it when you had the chance? Because listen to me, listen to me, I got news for you – I wish to God that you had!

Mila Jovovich & Eurovisão

Não vale a pena entrar aqui numa longa dissertação sobre o Festival da Canção deste ano, que incluiram enormes afrontas à música e não só. Já o ano passado me dei a esse trabalho e sob o risco de me tornar repetitivo, não vale a pena elaborar mais comentários.

Curioso e o que me faz escrever aqui, é a notícica do JN que nos diz que a provável anfitriã da Eurovisão, a decorrer na capital russa, será nada mais nada menos que a actriz, cantora, top model, Mila Jovovich, celebrizada pelo filme The Fifth Element (1997).

Curiosa ainda para mais, devido à sua nacionalidade ser ucraniana. Este facto inserir-se-ia na estratágia de cativar mais juventude para o visionamento da Eurovisão, que anda a perder espectadores e o brilho de edições anteriores.

O Festival de Eurovisão realiza-se por três etapas em 12, 14 e 16 de Maio, no Olympysky Arena, em Moscovo e Portugal será representado pelo grupo Flor-de-Lís (pelo menos não foi a Nucha).

Isto de ser Gestor de Cliente!

Isto de ser Gestor de Cliente tem muito que se lhe diga. O termo é um eufemismo para trabalho escravo, com muito processo administrativo e de recursos humanos à mistura. O maior problema é que além de fazermos o nosso trabalho, fazemos o de tantos outros e quando chegamos a meio do processo pior ainda.

E não me venham falar em período de adaptação, que esse já passou há muito tempo, se é que tive oportunidade de passar por ele. E quando os pedidos chegam a mais do que o desejado e humanamente possível, pior ainda.

Hoje já me fartei de imprimir coisas, de arquivar processos e currículos, bem como atender dezenas de reclamações de pagamentos (hoje 100% delas infundadas).

Isto cansa, caramba! E hoje ainda é segunda-feira.

Comedy’s New Legends: Vanity Fair

Depois de outros dois ensaios fotográficos que apresentamos aqui no blogue, um com os grandes desempenhos do ano na área do cinema e da autoria da New York Times Magazine e outro com as duplas de actores e realizadores, por Annie Leibovitz para a Vanity Fair, apresento-vos agora um novo portfolio criado mais uma vez para a Vanity Fair com as ditas estrelas mais promissoras da comédia actual: desde Seth Rogen (Knocked Up) a Paul Rudd (Role Models), passando por Jonah Hill (Forgetting Sarah Marshall) e Jason Segel (I Love You, Man).

comedians-0904-pp03comedians-0904-pp09imagem-6imagem-8imagem-9imagem-11imagem-4imagem-7imagem-10

O divertido neste variado set são as referências a clássicos ou personagens do cinema e não só, como o caso de um antigo ensaio fotográfico para a Vanity Fair, com Tom Ford, Keira Knightley e Scarlett Johansson, conforme podem ver por AQUI; mas também referências a Bonnie & Clyde, os Honeymooners, Frida Kahlo, Charlie Chaplin e Jack Nicholson em The Shining.

Todo o porfolio pode ser consultado AQUI.

Cinemateca e Biblioteca

Cinemateca de grande cinéfilo não está completa sem a filmografia do grande David Lynch. Recordado disso hoje adquirimos Mulholland Drive, com Naomi Watts:

Mas também, afectados pelo espírito do recente Fantasporto, não resistimos a adquirir o livro Asfixia, do autor de Clube de Combate, Chuck Palahniuk e que foi recentemente lançado para o cinema:

E já agora se quiser ler uma crítica sobre a versão cinematográfica, basta clicar AQUI.

Sessão de Encerramento: Fantasporto 2009

Este não é o Fantas da crise!“, disse Beatriz Pacheco Pereira na sessão de abertura do Fantasporto deste ano. E no final do festival internacional de cinema do Porto, facilmente nos apercebemos disso pela divertida sessão de encerramento que encheu a o Grande Auditório do Teatro Rivoli.

Longe da austeridade e glamour de outros eventos e festivais, o Fantasporto revelou mais uma vez o seu espírito espontâneo e divertido a que já habituou os cinéfilos por excelência. Este ano, o grande vencedor do festival foi uma animação sem diálogos, da autoria de Bill Plympton, Idiots and Angels, que acabou por vencer também o prémio para Melhor Argumento. Por seu lado, o prémio especial do júri seguiu para a Coreia do Sul, com Hansel & Gretel, de Pil-Sung Yim, que venceu também o Prémio Orient Express para Melhor Filme.

Eden Lake, de James Watkins, venceu o prémio de Melhor Realizador e de Melhor Actor (Jack O’Connell), enquanto que a Melhor Actriz foi para Macarena Gómez, por Sexykiller, morirás por ella. O prémio para Melhor Fotografia coube a Unborn e a Melhor Curta-Metragem foi Next Floor. Astrópía, um dos grandes favoritos do festival, ficou-se por uma menção honrosa do júri internacional.

Na Semana dos Realizadores, Moscow, Belgium, levou o grande prémio, enquanto que o júri optou por Palermo Shooting, de Wim Wenders. Na mesma secção, o melhor realizador foi Bent Harner, por O’ Horten e por sua vez o melhor argumento foi o de Vanished Empire. Brian Cox e Mamatha Bhukya, foram respectivamente o melhor actor e actriz. A lista completa dos vencedores, pode ser vista no site oficial.

A cerimónia de atribuição dos prémios decorreu sem nada de importante a registar, excepto a presença absolutamente genial da actriz espanhola Macarena Gómez, que numa paródia a Penélope Cruz, dedicou o prémio, não aos espanhóis, mas… aos portugueses. Bastante apreciada foi também a presença de Paul Schrader, Wim Wenders e José Fonseca e Costa, bem como de centenas de outros convidados especiais como Malu Mader e Paulo Pires.

Num discurso activista proferido por Mário Dorminsky, um dos fundadores e director do Fantas, foi reforçado que, apesar de 2009 ter sido o ano em que o festival menos apoios económicos recebeu, foi o ano que mais filmes teve em competição e exibição, com mais convidados e entre os quais, nomes importantes do cinema. O Fantasporto 2009 cresceu também em público cerca de 25%, bem como em popularidade, tendo sido interessante ver como os media deram ainda mais enfâse do que o habitual ao festival. Apesar de os dados oficiais ainda não terem chegado, estima-se que 70 mil pessoas afluíram ao festival deste ano, com cerca de 50 mil espectadores pagantes.

É triste apercebermo-nos que um festival como este, prestes a chegar à edição número 30, não recebe apoios do Estado Português, apesar de ter recebido já vários prémios nacionais, bem como ter sido considerado pela Variety, como um dos 25 festivais de cinema do mundo. Espera-se um posicionamento diferente do Ministério da Economia, bem como do Instituto do Cinema e do Audiovisual, no próximo ano. O Fantasporto é actualmente um dos eventos que mais leva o nome do Porto e do Portugal para o estrangeiro e como tal, deve ser apoiado.

No final do discurso, Mário Dorminsky deu umas pistas para a próxima edição do Fantasporto que decorrerá de 26 de Fevereiro a 6 de Março de 2010, na comemoração dos 30 anos do festival. Segundo o fundador, a edição 30 do Fantasporto fará a ligação entre o cinema e a ciência robótica, bem como homenagear o realizador Luís Galvão Teles.

A sessão de encerramento finalizou com a exibição do filme Adam Resurrected, do alemão Paul Schrader, o qual reforçou que apesar de ser sobre a temática do Holocausto, é uma história puramente fictícia nascida da mente do escritor Yoram Kaniuk.

Sessão de Encerramento Fantasporto: Adam Resurrected

Complexo, forte e profundo.