Monthly Archives: Fevereiro 2010

Match.

«Has anyone told you you play an aggressive game?»
«Has anyone told you you have very sensual lips?»
«Extremely agressive.»

Shakira <3

Maggie Q <3

L’inventaire

Perdi tudo menos a certeza da tua bondade.

“Leonard vai para cima, para a sala, a fim de ouvir o noticiário. Encontra um sobrescrito azul, dirigido a ele, em cima da mesa. Dentro está uma carta.

Meu Muito Querido:
Tenho a certeza de que estou novamente a enlouquecer: sinto que não posso suportar outro desses terríveis períodos. E desta vez não me restabelecerei. Começo a ouvir vozes e não me consigo concentrar. Por isso vou fazer o que me parece ser o melhor. Deste-me a maior felicidade possível. Foste em todos os sentidos tudo o que qualquer pessoa podia ser. Não creio que duas pessoas pudessem ter sido mais felizes até surgir esta terrível doença. Não consigo lutar mais contra ela, sei que estou a destruir a tua vida, que sem mim poderias trabalhar. E trabalharás, eu sei. Como vês, nem isto consigo escrever como deve ser. Não consigo ler. O que quero dizer é que te devo toda a felicidade da minha vida. Foste inteiramente paciente e incrivelmente bom. Quero dizer isso – toda a gente o sabe. Se alguém me pudesse ter salvo, esse alguém terias sido tu. Perdi tudo menos a certeza da tua bondade. Não posso continuar a estragar a tua vida. Não creio que duas pessoas pudessem ter sido mais felizes do que nós fomos.
V.

Michael Cunningham, “As Horas”

Liaison Dangereuse

~DonaRita & David Fonseca

Há 3 anos atrás descobri por mero acaso a página do deviantART da ~DonaRita e comecei a seguir o seu trabalho. A decadência e a degradação virada arte que nos deixa simultaneamente horrorizados (ponderamos até nos rir perante o rídiculo de alguma situação), mas simultaneamente fascinados. Ou não fossemos nós seres humanos, atraídos por aquilo que é – normativamente – contra as regras sociais. Um controlo do corpo excelente, uma noção underground do sexo, do corpo, da sensualidade…

Naquela que foi a sua junção (Rita Lino) a David Fonseca, o que temos como videoclip de Stop 4 A Minute. Primeiro estranha-se, depois entranha-se. Extremamente arrojado, decadente e degradente. No bom sentido.

Mas demorei um dia inteiro para o digerir.